Como saber se eu tenho escoliose

A escoliose é uma doença que consiste no desvio da coluna no plano frontal. Tal deformidade é mais comum em meninas e tem uma incidência em torno de 2% das crianças. Sua progressão ocorre, em geral, no período do estirão de crescimento.

escoliose

Uma maneira de identificar a presença de escoliose é observar crianças com assimetria nos ombros, escápulas, cintura ou arcos costais. Existe o teste de “Adams” que ajuda a identificar a doença: nele, o paciente flete o tronco e o médico consegue analisar a assimetria entre os dois lados do tórax ou a região lombar do indivíduo.

É preciso lembrar que uma coluna vertebral que não apresenta alterações estruturais possui um alinhamento e empilhamento perfeito de suas vértebras durante todo seu prolongamento. Se atentar se há modificações nestes alinhamentos, mesmo na fase adulta, é essencial para identificar a presença da escoliose idiopática.

Sintomas de escoliose


Os sinais nem sempre são de fácil identificação e podem até mesmo passar despercebidos por leigos. No entanto, aqui vão alguns sinais:

  • Um ombro mais alto do que o outro;
  • Cintura assimétrica;
  • Costelas elevadas de um dos lados;
  • Altura das mamas assimétricas;
  • Tronco inclinado para um dos lados;
  • Sensação de que um braço ou uma perna é maior que o outro.

É importante destacar que a doença não costuma apresentar ao paciente sintoma de dor. É possível perceber sua presença também na observação das costas. Nela, os ossinhos da coluna ficam desviados para um dos lados, formando uma espécie de “S” ou “C”.

Quando o paciente inclina para frente, forjando um movimento de pegar um objeto no chão, surge uma elevação da coluna de um dos lados.

Tratamentos


No surgimento das primeiras dúvidas ou suspeitas quanto ao alinhamento correto da coluna, ou postura, é preciso procurar um médico ou um fisioterapeuta.

Cabe ao profissional da saúde consultado solicitar exames de imagem, como uma radiografia ou panorâmica, além de realizar uma avaliação física mais detalhada em um ambiente clínico.

O diagnóstico precoce, como sempre, é parte fundamental do processo, visto que, permite uma abordagem clínica eficiente. Assim, o profissional da saúde poderá acompanhar a progressão da escoliose (no caso em que a doença não apresenta riscos aos pacientes).

Conforme a idade do paciente ou o grau apresentado de escoliose, o especialista também poderá aplicar métodos de tratamento conservador. Esse tipo de tratamento é sempre o primeiro a ser sugerido, por ser menos invasivo.

Existem exercícios físicos específicos para tratamento de escoliose (PSSE). No tratamento conservador, também pode ser sugerido (ou não) o uso de órteses para a coluna (o colete 3D) como forma complementar.

No entanto, não poderia deixar de ser mencionado que a depender do grau da escoliose apontado pelo médico, uma intervenção invasiva (ou seja, uma cirurgia) pode ser recomendado.

Portanto, o ideal é sempre manter uma boa prática de atividade física e estar atento aos sinais do seu corpo ou ao desenvolvimento físico do seu filho, dado que, a doença é incidente em crianças para buscar ajuda, se necessário, o mais depressa possível.