Tudo que você precisa saber para operações com guindastes

Os guindastes são as máquinas ideais para operações que envolvam o manuseio e içamento de cargas pesadas, uma vez que conseguem carregar até 100 toneladas. 

Por isso, é muito comum encontrarmos guindastes nas áreas portuárias, da construção civil e no ramo da logística.

Embora o surgimento dos guindastes tenha sido relatado pela primeira vez na Grécia antiga, hoje em dia essas máquinas são altamente tecnológicas, oferecendo extrema segurança e precisão durante o trabalho.

Entretanto, por envolver a movimentação de itens pesados em alturas elevadas, existem um risco inerente à operação como quedas de cargas, tombamentos e outros problemas, que podem até mesmo ser graves. 

Como exemplo desse tipo de acidente, podemos citar o tombamento do guindaste nas obras do monotrilho na zona leste de São Paulo, ocorrido em outubro de 2021.

Felizmente, não houve vítimas fatais e nem feridos, mas o problema gerou alguns transtornos no funcionamento do metrô e no trânsito das avenidas próximas ao local do acidente. 

Sempre é melhor prevenir do que remediar, então algumas medidas cautelares são necessárias para evitar maiores dores de cabeça, como contar com profissionais capacitados, ter um bom planejamento e obedecer às normas existentes. 

A seguir, você poderá conhecer um pouco mais sobre esses riscos de operação e formas de evitá-los.  

Solo irregular: risco de tombamento da máquina

Um dos acidentes mais graves quando se trata do uso de guindastes é o de tombamento da máquina. 

Esse problema pode ocorrer por instabilidades do solo que, conforme a máquina se movimenta, podem fazer com que ocorram afundamentos que desestabilizam o apoio do guindaste, ocasionando a queda. 

Muito além de problemas com a carga, o tombamento de um guindaste pode causar problemas imensuráveis com relação à segurança dos envolvidos na operação, que podem se ferir gravemente em uma situação como essa. 

Para evitar que isso ocorra, o mais recomendado é fazer o plano rigger, que é um estudo que mapeia detalhes como espaço, relevo, firmeza e vibração do solo onde serão realizadas as atividades. 

Tal levantamento é feito por  profissionais especializados, como engenheiros e técnicos, que têm expertise na área das operações e conseguem definir qual o tipo de equipamento mais indicado para cada caso e quais adequações devem ser feitas.

Sobrecarga: risco de quebra da lança 

Outra imperícia que pode causar o tombamento dos guindastes é a sobrecarga, que também pode resultar em quebra da lança do equipamento. 

Em hipótese alguma deve-se operar carga maior do que a indicada pelo fabricante da máquina, uma vez que cada mecanismo é projetado para levantar uma quantidade limitada de peso. 

Para ter a certeza de que não ocorrerão problemas, fique atento ao limitador de momento de carga (LMI), dispositivo presente na maioria dos guindastes, que alerta que há sobrecarga e bloqueia os movimentos da lança do guindaste.

Mas, para evitar ter de paralisar a operação para fazer a remoção e, assim, atrasar o andamento da obra, o ideal é sempre ter cautela antes do início da operação, operando apenas o indicado, mesmo que isso signifique mais viagens. 

Carga mal fixada: risco de queda

Além de danificar a carga, a queda de objetos mal fixados pode causar problemas, atingindo pessoas e outros itens que estejam ao redor. 

Para evitar que isso aconteça, o recomendado é contar com profissionais com alto nível técnico, que dominem técnicas de amarração e contrapesos para assegurar completo equilíbrio da carga. 

Nesse ponto, também é importante garantir que tanto a lança, quanto a carga, se movam longe de zonas energizadas, como fios de alta tensão e outros equipamentos que possam causar choques elétricos.

Além disso, todas as operações realizadas em dia de tempo instável, com chuva, neblina ou outras intempéries que prejudiquem a visibilidade devem ter segurança redobrada. 

Como ter uma operação tranquila?

Como é possível perceber, uma operação com guindastes depende de três fatores principais para ser bem sucedida: equipamentos de qualidade e com a manutenção em dia, equipe qualificada e bem preparada, procedimentos alinhados. 

Além disso, quem busca pela locação de guindaste em São Paulo deve assegurar-se que os profissionais envolvidos tenham conhecimento de todos os procedimentos, desde 

Então, nada melhor do que contar com uma empresa qualificada, que consiga garantir as melhores condições para a operação.

Por isso, vale pesquisar cuidadosamente, checando todas as referências sobre a empresa e sobre as máquinas que ela oferece, que devem estar em plena capacidade de funcionamento e com a manutenção em dia.

Assim, você poderá se beneficiar de todas as facilidades que um guindaste oferece, como agilidade e eficiência, sem correr riscos desnecessários. 

Tudo que você precisa saber para operações com guindastes