Teoria de Maslow: porque ela pode levar você ao sucesso!

Já ouviu falar em Teoria de Maslow? A pirâmide de Maslow fala sobre necessidades importantes para o ser humano e faz sentido para sua jornada profissional e pessoal

Teoria de Maslow

Diversas teorias e metodologias são importantes dentro de um negócio, para um rh estratégico ou na vida pessoal e carreira das pessoas. Conhecer sobre estudos de diferentes frentes faz toda a diferença para os profissionais.

Uma dessas teorias é a de Maslow, que representa uma pirâmide de necessidades humanas que precisam ser saciadas de acordo com ordens de urgência e entender sobre ela dentro de sua rotina pode dar visões diferentes sobre suas reais necessidades.

A Teoria de Maslow


Conhecida também como Pirâmide de Maslow ou Teoria das necessidades humanas, o modelo sugere que todos os seres humanos são motivados em satisfazer cinco necessidades básicas: fisiológicas, segurança, social, de autoestima e de realizações pessoais.

O criador da teoria foi Abraham Maslow (1908 – 1970), professor de psicologia, fundador da disciplina de Psicologia Humanista. Ele apresentou a Pirâmide de Maslow em 1943, em um artigo chamado “Uma teoria da motivação humana”.

A teoria recebe o nome de pirâmide porque é este o formato no qual as necessidades humanas estão dispostas, fazendo com que seu nível de importância na vida esteja de acordo com sua posição na pirâmide.

A hierarquia de necessidades de Maslow


A teoria de Maslow parte do princípio de que, à medida em que os seres humanos vão sanando suas demandas mais básicas, vão subindo na hierarquia de necessidades, adquirindo outras cada vez mais complexas. São elas:

1. Necessidades fisiológicas


Na base da pirâmide estão situadas as necessidades fisiológicas e se elas não são atendidas, nenhuma outra mais pode ser. Essas são as necessidades básicas como respirar, comer, dormir e beber água.

2. Segurança


O segundo nível da pirâmide trata-se da necessidade de sentir que a própria vida está protegida e isso diz sobre moradia, saúde, emprego, dinheiro, segurança física e psicológica, por exemplo.

É fácil entender que, sem que as nossas necessidades fisiológicas e de segurança estejam devidamente sanadas, torna-se impossível que o humano vá em busca de maiores aspirações.

3. Necessidades sociais


Os seres humanos são seres sociais e esse nível da pirâmide diz sobre a necessidade de ter outras pessoas em seu convívio, ser aceito, ter sensação de integração e pertencimento. Nessa necessidade inclui-se também as relações amorosas, de amizade e de família.

4. Estima


Uma vez satisfeitas as necessidades sociais, o próximo nível da pirâmide é a necessidade de estima. Além de ser aceito e pertencer ao grupo, o ser humano necessita ser estimulado, o que também inclui a autoestima.

5. Realização pessoal


No topo da pirâmide se encontra a necessidade de realização pessoal. Trata-se de independência, autonomia, expressão da criatividade, exercício dos talentos e dons, autoconhecimento, enfim, tudo que diz respeito à realização das potencialidades humanas, tanto na vida pessoal, quanto na profissional.

A pirâmide no cotidiano


A partir do entendimento do estudo do Maslow é possível aplicar seu pensamento no dia a dia e compreender melhor como ele funciona na motivação profissional e pessoal dos profissionais.

A pirâmide de Maslow pode ser adaptada tanto no ambiente profissional quanto no pessoal, de acordo com a realidade de cada pessoa.

Mesmo que a regra central gire em torno de cumprir uma etapa para seguir para o próximo nível, atualmente, a pirâmide é vista como uma questão muito mais flexível.

Ao observar as características de cada pessoa de maneira particular, alguns passos da pirâmide se tornam mais ou menos essenciais.

Agora, quando observada pelo âmbito profissional, as etapas de realização condizentes com a carreira costumam fazer muita diferença na motivação dos colaboradores e no crescimento do negócio.

Entende-se que para que as necessidades sejam sanadas existe ligação com ganhos financeiros, afinal, eles interferem na compra de alimentos, pagamento de despesas para sobrevivência e existência.

Isso tem a ver com salários competitivos, empregos disponíveis para as pessoas e dignidade para que cada profissional possa subir em suas necessidades na pirâmide.

A partir desse primeiro momento, os profissionais passam a olhar para outros pontos de motivação e crescimento em suas funções e cursos complementares, oportunidades de crescimento, plano de carreira e estabilidade são tão almejadas pelos indivíduos.

Já o topo da pirâmide é sobre a real contribuição para o avanço dos resultados nos negócios, trocas reais de times e equipes e pertencimento real em seus ambientes. Quem está no topo busca por status e reconhecimento e é esse o momento de desafiar as competências.

Pensando nisso, podemos olhar uma pirâmide no ambiente de trabalho como:

  • Base: salário suficiente, descanso físico e mental, pausas no expediente;
  • Nível 2: ambiente de trabalho seguro, livre de acidentes, garantia de estabilidade e equilíbrio nas finanças pessoais;
  • Nível 3: relações saudáveis com os chefes e colegas, construção de amizades, valorização como uma boa companhia;
  • Nível 4/5: reconhecimento pelos bons resultados, ganho de mais dinheiro ou recompensas, possibilidade de se expressar no ambiente, entre outros.

A pirâmide de Maslow dá direcionamentos para as necessidades profissionais e pessoais e entender sobre elas pode te fazer se guiar em uma jornada mais clara em seu caminho de carreira.

Você já conhecia essa Teoria de Maslow? Como você enxerga suas necessidades atuais? Pense sobre seus objetivos em cada nível e reflita sobre sua jornada pessoal e profissional!