De quais maneiras a robótica pode afetar o desemprego no Brasil?

Que a tecnologia afeta o mercado ninguém tem mais dúvidas e soluções atuais podem ser grandes ajudas para recrutar colaboradores e diminuir turnover, implementar processos, otimizar tarefas e fazer com que a empresa siga no rumo do crescimento.

robótica

Porém, uma grande dúvida dos trabalhadores e empreendedores é se, em algum momento, a tecnologia e robótica pode e vai afetar o emprego ou desemprego no Brasil.

Você já se perguntou sobre isso? Considera o robô um aliado ou concorrente ao seu trabalho? Vamos falar mais sobre algumas perspectivas. Confira!

A robótica e o desemprego


O uso de robôs está cada vez mais presente e comum nos diversos setores e diferentes níveis e tamanhos de empresa. Se antes investir em tecnologia parecia algo distante, hoje os negócios enxergam o valor que elas podem levar à organização.

Mais do que isso, com a pandemia, foi necessário agilizar demandas e tornar os negócios cada vez mais tecnológicos para ser capaz de se adequar ao momento. Para isso, em alguns casos, foi preciso dispensar algumas pessoas de suas funções para manter empresas e a robotização foi aliada em certas tarefas.

Pensando nisso, o quanto será que os robôs de fato estão substituindo os humanos e afetando seus empregos?

Quando as tecnologias surgiram, todo o mercado entendia sobre o medo do trabalhador e seu grande discurso é que a robotização não é uma concorrente, mas sim uma aliada dentro dos serviços.

De fato, isso ocorre em muitos casos: ao automatizar tarefas repetitivas é possível que colaboradores sejam retirados dessas funções desgastantes e desmotivantes e foquem mais em estratégias e estruturas para a empresa.

Mas, o grande problema é que nem sempre há espaço para alocar pessoas para esses locais e demandas estratégicas ou as empresas simplesmente não enxergam sobre esse potencial, fazendo com que o robô tenha esse papel de substituto.

Imagine um restaurante que deseja se automatizar: é possível que totens, cardápios digitais e até mesmo robôs estejam presente no ambiente para anotar pedidos. Será que isso vai fazer com que todos os garçons sejam demitidos? É possível (e esperado) que não, mas provavelmente o quadro de pessoas será reduzido para pagar a tecnologia, certo?

Esse é um exemplo simples, mas sabemos que a robótica está sendo implementada em grandes escalas nos mais diversos setores e pode fazer com que essa redução chegue a grandes grupos.

Segundo relatório divulgado por economistas da Bloomberg Economics, em 2020, a robotização pode afetar até 800 milhões de pessoas e fazer com que elas tenham maior risco de que seus empregos se tornem obsoletos.

Antes, o trabalho braçal e percepção visual era apenas destinado aos humanos, portanto, qualquer que fosse a tarefa, alguém estava por lá. Hoje, muitas delas podem ser substituídas por robôs e agilizar a realização, não é mesmo?

Porém, nem tudo são expectativas negativas e frustrantes sobre o uso de robôs. É fato que utilizar a robotização aumenta a experiência do cliente e do colaborador e faz com que muitas tarefas fiquem mais fáceis para as pessoas.

Vamos a outro exemplo, imagine que você trabalha em uma central de atendimento e todos os dias responde 50 perguntas sobre horário de funcionamento da loja. Contar com um chatbot nesse caso, faz com que o robô pegue algumas demandas e te deixe mais livre para trabalhar com atendimentos que realmente precisem de um humano.

Ou seja, a robotização pode também ser uma aliada no mundo corporativo. Além disso, enquanto elas tiram a necessidade de pessoas em alguns empregos, ela também abre novas oportunidades.

Por mais inteligentes que sejam os robôs, eles ainda são robôs e não contam com toda capacidade cerebral e comportamental dos humanos, portanto, é preciso ter pessoas à frente das tarefas para lidar com essa nova forma de trabalho.

Olhando para pontos como esse, podemos dizer que a robotização pode afetar mais alguns setores em que capacidade técnica é o grande ponto e menos aqueles em que estratégias e comportamentos são os grandes exigidos.

Com a rápida mudança tecnológica, é natural que pessoas precisem aprender a todo tempo e buscar novas colocações e profissões no mercado para não “competirem” com os robôs.

Como você enxerga a robotização no Brasil? Aproveite que agora você tem um novo ponto de vista sobre benefícios e malefícios e compartilhe conosco sua opinião!