Cyberpunk 2077: tudo sobre o game

Clássico do mundo dos RPGs de mesa ganha, finalmente, sua versão digital. Entenda por que vale a pena jogar o Cyberpunk 2077 em 2021

Cyberpunk 2077

Sequência direta do Cyberpunk 2020, um RPG de mesa, o Cyberpunk 2077 chega ao mercado dos games digitais com uma legião de fãs que já são familiarizados com o seu enredo.

Se você ainda não conhece o jogo, qualquer resumo não faz jus à complexidade de sua história, mas espere um universo dominado por mega corporações gananciosas, soluções tecnológicas legais e muita violência — física e simbólica.

A atmosfera é de pessimismos em relação aos avanços tecnológicos, mas com atenção especial a quem controla nossos dados e finanças e à maneira com que o capitalismo digital pode ser mais prejudicial para o avanço da sociedade humana, do que uma solução para um futuro de paz.

Um RPG em primeira pessoa


Uma dúvida daqueles que estavam aguardando o game e já conheciam sua história nos jogos de mesa era com relação à jogabilidade de sua versão digital, uma vez que o RPG de mesa é baseado na interação com os outros participantes.

A escolha por um RPG em primeira pessoa, apesar de soar estranho em um primeiro momento, foi extremamente acertada. Isso porque jogos de RPG são experiências completamente imersivas, e somente a posição do jogador em primeira pessoa conseguirá dar conta disso na versão digital.

Já no início do jogo, você terá que escolher entre três caminhos de vida, sendo eles: StreetKid, Nômade e Corporativo.

Essa escolha vai determinar todo o seguimento do jogo, desde os diálogos até os cenários, bem como a jogabilidade, de forma geral.

Outro fator importante que vale a pena ser mencionado é a construção da classe nos jogos. Apesar de apresentar diversas opções, eles não se limitam da mesma maneira como acontece com a escolha dos caminhos da vida no jogo. O que tem sido considerado um dos pontos fortes de sua jogabilidade, vez que será possível construir classes completamente híbridas e únicas ao longo da jornada.

Outro ponto alto é a relação progressiva entre a arma e o personagem. Ou seja, quanto mais usada a arma, mais habilidade o jogador adquire com ela, o que torna o jogo excitante e tira o risco de uma jogabilidade que tende a cair na monotonia depois de muitas horas de jogo.

O motivo do sucesso


Com pouco tempo de lançamento, o game já é considerado um grande sucesso devido à sua jogabilidade e às escolhas para lá de acertadas. Mas outro fator importante que culminou em sua boa recepção é o fato de que o jogo, apesar de propor um universo distópico, não se distancia muito de um futuro possível que as gerações mais jovens poderiam experienciar.

O próprio criador do jogo, Mike Pondsmith, diz que o jogo pode ser tomado como uma espécie de aviso sobre onde podemos chegar, mesmo que ele mesmo afirme que isso não seria o ideal.

Além disso, outro fator que faz do jogo um grande sucesso é a sua longa espera. O primeiro anúncio de que ele se tornaria um jogo digital foi feito 8 anos antes que ele, de fato, acontecesse e, agora, depois de alguns cancelamentos, ele finalmente está disponível.

O motivo do atraso é justificável, Pondsmith participou ativamente da digitalização do game, tomando cuidado para que a experiência fosse fiel àquela proposta nos 1980, quando a versão analógica ganhou vida pela primeira vez.

Deu certo. A boa recepção é quase unânime, e aqueles que já conheciam o jogo têm se dito satisfeitos com a experiência, além, é claro, dos novos adeptos.

Para quem já conhecia a história ou para quem acabou de chegar ao universo do Cyberpunk 2077, esse é definitivamente um dos principais jogos do ano e sua relevância com relação às questões do mundo atual muito provavelmente farão dele um clássico moderno.