Organização financeira: o que é, como funciona e pode onde começar

A organização financeira é e sempre foi uma das ferramentas mais importantes quando o assunto é dinheiro ou planejamento. Veja mais dicas!

organização financeira

A organização financeira é e sempre foi uma das ferramentas mais importantes quando o assunto é dinheiro ou planejamento. A partir dela é possível criar um poderoso objetivo e realizar os maiores sonhos, sejam profissionais ou pessoais. Contudo, na prática, são poucas as pessoas que dedicam tempo para realizá-la.

Quando se analisa as finanças de uma pessoa ou empresa, é possível detectar sua capacidade de crescimento, desenvolvimento ou até mesmo suas falhas para que isso não aconteça.

A chamada contabilidade mental não tem espaço em uma organização financeira adequada. Ou seja, calcular todos seus rendimentos e gastos “de cabeça” nunca é uma solução viável e iremos te explicar o porquê.

Confira conosco neste artigo exclusivo. Boa leitura!  


                         administração financeira


O que é e para que serve a organização financeira?


A organização financeira nada mais é do que definir estratégias para tomar decisões sobre o uso consciente de recursos. Em outras palavras, você utilizará ferramentas de controle e empregará a inteligência financeira e emocional para realizar seus sonhos. É importante considerar que ela leva em conta cada perfil e características únicas das pessoas. E que através dele, você conseguirá alcançar metas financeiras, não importa se elas estão relacionadas em quitar dívidas, comprar uma casa, ampliar a empresa ou fazer uma viagem com a família.

Um dos maiores desafios ao se pensar em organização financeira está no fato de que, no Brasil, apenas 21% das pessoas aprenderam sobre o assunto na infância. Segundo dados da Revista Exame, na adolescência e idade adulta é mais comum se falar sobre dinheiro.

Além disso, escolas não possuem disciplinas que orientam sobre o assunto dinheiro e a importância de se organizar financeiramente desde pequeno.

Em cenários como o atual, causado pela pandemia da Covid-19, isso se torna ainda mais importante e urgente.
 

Mas como fazer o controle financeiro de forma correta?


Primeiramente, é importante saber que uma administração e organização financeira começa pelo simples: conseguir registrar e mensurar todo o dinheiro que entra e sai. Para melhor compreensão, dividimos essa regra em dois tópicos.

Organização financeira pessoal


Ao anotar suas receitas e despesas, e entender o seu ciclo salarial, será mais simples avaliar quais são seus maiores gastos. Além disso, você conseguirá identificar eventuais desperdícios.

O controle financeiro pode ser feito em um caderno, planilha ou até mesmo por aplicativo. A única exigência aqui é não deixar nada de fora, inclusive com datas recorrentes de pagamento, como contas de água, luz, internet e outros.

O ideal é que você sempre gaste menos do que ganha. Com isso, será capaz de criar uma reserva de emergência para situações atípicas. Caso não faça isso, terá de recorrer a cartões de crédito ou cheque especial, sempre modalidades com taxas altas de juros.

Outro ponto essencial para a organização financeira é não fazê-la ocasionalmente. Ou seja, de nada adianta se planejar durante um tempo e em uma situação específica, esquecer dela. Tomar decisões a longo prazo é o principal fator que leva à realização de sonhos.
 

Organização financeira empresarial


Quando o assunto é administrar as contas de uma empresa, há pontos específicos que as diferenciam da organização financeira pessoal. Isso porque, no setor empresarial, o seu dinheiro não é apenas seu. Ele é dos fornecedores, funcionários, prestadores de serviços. Aliás, pode-se começar por entender que o dinheiro da empresa é da empresa. E nunca deve se misturar com o seu dinheiro pessoal.

Dessa forma, em cenários de crise ou de prosperidade, você não precisa contar com sua reserva pessoal para resolver problemas.

Ainda que as empresas costumam ter uma organização melhor que o orçamento doméstico, um ponto é crucial: a fonte de recursos empresariais é mais limitada. Isso porque, enquanto uma família pode ter várias pessoas que trabalham, a empresa é um organismo só. E se tiver prejuízo e não lucro, certamente estará fadada ao fracasso e falência.

A responsabilidade do dono é muito maior, uma vez que dela depende o salário e o emprego dos funcionários. Por sua vez, ele costuma ser responsável por quem vive sob seu teto. Não importa como o gestor decide controlar suas finanças. Se ela for realizada de modo a detalhar custos de produção, definir público-alvo e projetar expectativas, o caminho pode ser mais fácil.

                        Organização financeira empresarial                   

Em casa ou na empresa: ter disciplina é fundamental


Independente se em casa ou dentro da sua empresa, é necessário lembrar que a organização financeira precisa ser revista e atualizada de acordo com o cotidiano. Não existe um plano definitivo para administrar finanças que não possa ser mudado.

Isso porque há demandas pontuais como reformas, aquisição de bens ou materiais. No caso das empresas, a contratação de novos funcionários ou mesmo capacitação profissional. Ter disciplina, nesse caso, é considerar que há questões pontuais que podem aparecer. E que também para elas, é preciso considerar um orçamento.

Confira agora 4 dicas essenciais para começar a sua organização financeira.
 

Anote tudo que envolve dinheiro, mesmo que não pareça importante


Como dissemos anteriormente, nenhum gasto ou rendimento pode ficar de fora ao planejar sua vida financeira. Precisou comprar material novo pro escritório? Anote. Gastou dinheiro para um churrasco no fim de semana? Anote.

Apenas assim você conseguirá mensurar, ao final do mês, quais são os gastos recorrentes e os gastos pontuais.

Caso não saiba como montar uma planilha de Excel, há modelos gratuitos pela Internet, como por exemplo, as do site do Sebrae. Por último, evite itens com os nomes “outros” ou “diversos”. Detalhe o gasto. Sempre.
 

Aprenda a lidar com dinheiro definindo objetos concretos


Você não precisa juntar dinheiro para fazer uma viagem. Você precisa juntar dinheiro para ir à França, ao litoral nordestino ou ao Pantanal. Quando você define um objetivo concreto, fica ciente de quanto precisa para realizar o sonho.

Por isso, a dica aqui é ser prático. E em seguida, descobrir os valores necessários para que se atinja esse objetivo.

No caso de uma empresa não é diferente, porém o primeiro tópico a se analisar é o capital de giro. Normalmente, ele é pensado como o valor para sua empresa sobreviver entre 6 a 12 meses, em situações de emergência. Ou seja, qual seu faturamento mensal? Após conhecê-lo, você precisa ser capaz de criar uma reserva de no mínimo 6x este rendimento.

E só depois, planejar outras metas para a empresa.
 

Aprender sobre organização financeira é rentabilizar seu patrimônio


Saber sobre como administrar seu dinheiro é, primeiramente, ter liberdade econômica. Quando você é capaz de viver os conceitos de uma educação financeira, você valoriza mais sua gestão e escolhe melhor suas metas e sonhos.

Dessa forma, a organização financeira se torna um estilo de vida. E você não terá dificuldades em realizar investimentos, diversificar uma carteira de negócios ou aplicar o método em sua vida.
 

Viver de acordo com a própria condição financeira


A dica mais óbvia aqui fala sobre não gastar mais do que se ganha. Mas essa obviedade precisa ser repetida porque há muitos que não a praticam. Veja bem: mesmo que você tenha ascensão financeira, o adequado é ajustar os seus gastos apenas quando houver estabilidade. Por exemplo, no caso de um novo emprego ou melhora nos negócios. Essa mudança pode ser provisória e se você não se atentar a isso, terá problemas maiores depois.

Então, o que fazer? O ideal é só mudar de padrão apenas seis meses após o novo salário ou novo rendimento. Até lá, a diferença do dinheiro obtido pode ser seu capital de giro ou até mesmo sua reserva pessoal.

Viver de acordo com a própria condição financeira


Conclusão


Conforme explicamos, a organização financeira é a porta de entrada para uma vida mais tranquila e negócios mais sólidos. Ela serve tanto para se educar quando o assunto é dinheiro como para prever futuros imprevistos.