5 erros básicos que a Marvel Comics continua cometendo

A Marvel pode estar no topo, mas eles continuam cometendo muitos dos mesmos erros. Aqui estão 5 erros básicos que a franquia continua a cometer.

Erros básicos que a Marvel Comics continua cometendo

A Marvel é um dos maiores pesos-pesados da cultura pop. Redefinindo a indústria dos quadrinhos nos anos 60, os heróis do Universo Marvel se tornaram nomes conhecidos e mudaram a forma como o público via os super-heróis.

Os super-heróis não eram mais deuses intocáveis, mas pessoas normais como o leitor. Eles salvaram o dia com pura sorte, tanto quanto com grande poder e habilidade. Muito dessa parte humana dos super-heróis veio das histórias de Stan Lee.

Inclusive, em Falcão e o Soldado Invernal chegamos a ver Bucky na terapia, mostrando que os heróis acima de tudo são pessoas normais.

Muitas vezes usando seus quadrinhos para iluminar questões do mundo real, a Marvel se tornou o lugar para histórias oportunas que inspirariam os maiores filmes de todos os tempos. No entanto, mesmo com todo esse sucesso, a Marvel ainda continua cometendo alguns erros básicos que a afetam em vários níveis.

Superexposição é uma coisa ruim


Os X-Men são, há muito tempo, uma das maiores equipes dos quadrinhos, um grupo formado por personalidades distintas. A Marvel adora tirar proveito dessa popularidade e opta por inundar o mercado com os quadrinhos dos X-Men quando pensa que pode se safar.

Os X-Men não são a única franquia da Marvel com a qual fazem isso.Do Homem-Aranha aos Vingadores, a Marvel tende a expor demais os livros que considera grandes, foi essa uma das decisões que a levaram à falência na década de 90.

Sucesso nos cinemas não é sinônimo de sucesso nos quadrinhos


O sucesso do Homem de Ferro foi um daqueles momentos estranhos que ninguém teria suspeitado. Robert Downey Jr foi capaz de pegar um personagem que não era super popular e que na época estava no ponto mais baixo de sua popularidade.

Com muitos fãs de quadrinhos odiando ativamente o personagem após Guerra Civil, ele foi transformado em uma estrela nos cinemas. Isso deu início ao domínio do MCU e redefiniu a Marvel.

Enquanto o público em geral amava o Homem de Ferro, o público dos quadrinhos não, e a Marvel continuava tentando forçar o personagem goela abaixo, o que feriu o Homem de Ferro mais do que qualquer outra coisa.

A Marvel continuaria a fazer isso pela maior parte da última década, tirando outras coisas dos filmes populares e tentando colocá-los no mundo dos quadrinhos, fracassando quase todas as vezes.

Inclusive, o criador de Deadpool, Rob Liefeld, chegou a falar que a Marvel tirava o pé em algumas produções de personagens nos quadrinhos, pois com o sucesso era exigência se ter um filme desses personagens e alguns anos atrás a Marvel não tinha os direitos de muitos personagens.

Arte não é tudo


A Marvel sempre teve alguns dos maiores artistas dos quadrinhos, começando com Jack Kirby e Steve Ditko até os dias atuais. Os maiores artistas da indústria trabalham na Marvel e os visuais dos quadrinhos provam isso.

Embora a arte seja um fator-chave para o sucesso de um quadrinho, ela não é tudo, e o excesso de confiança da Marvel na arte costuma ser sua ruína. Em vez de a Marvel priorizar em como a história será contada, ela acaba por priorizar a arte e os desenhos.

Nem todo problema precisa de várias versões das versões


A Marvel sempre foi a rainha da capa de truques, voltando às monstruosidades em relevo dos anos 90. Quando isso saiu de moda, a editora mudou para capas variantes, bombeando mais e mais até agora, cada primeira edição de qualquer coisa remotamente popular tem a garantia de várias capas da mesma versão.

Alguém poderia pensar que a Marvel teria aprendido a lição na primeira vez que inundou o mercado com capas enganosas e quase matou os quadrinhos, mas não o fez, apenas mudando para outro tipo de truque.

Crossovers constantes são ruins


Os X-Men estão passando por um renascimento criativo agora, que infelizmente está sendo minado pela tendência da Marvel de constantemente empurrar crossovers.

Do cruzamento com livros de eventos como Empyre (que teve duas edições de X-Men dedicadas a crossovers) e King In Black (três edições do novo livro SWORD dedicado a ele) até as vinte e duas partes X Of Swords, crossovers estão turvando água da Marvel, a maior história de sucesso dos últimos anos.

Forçar crossovers o tempo todo é um erro, que pode matar o ímpeto de um quadrinho, forçando-o a pausar o que está fazendo para entrar em um evento ou outro quadrinho. Também obriga os leitores a comprar um livro que eles não querem, prejudicando suas carteiras e queimando boa vontade com eles.