31/07/2017 16h35 | Por: Natália Souza

Atriz francesa Jeanne Moreau morre aos 89 anos

Ela atuou em mais de 100 filmes durante 65 anos de carreira, incluindo 'Jules et Jim', de François Truffaut, e 'Joanna francesa', de Cacá Diegues.

Texto de: Portal do Bicentenário com informações do G1
Fb 0349 008

Morreu nesta segunda-feira (31), aos 89 anos, a consagrada atriz francesa Jeanne Moreau. Dona de uma expressiva carreira, com 65 anos de atuação, tendo estrelado em mais de 100 filmes, Moreau foi a protagonista do filme Joana Francesa, dirigido pelo alagoano Cacá Diegues em 1973.

Nascida em 23 de janeiro de 1928, em Paris, ela começou no teatro, sendo uma das mais importantes atrizes da comédia francesa. Nos anos 50, passou aos filmes, incluindo "Ascensor para o Cadafalso" (1958), de Louis Malle.

Ganhou prêmios como o Bafta de melhor atriz estrangeira, por "viva Maria!" (1965) e "Jules et Jim" (1962). Também ganhou prêmios honorários por sua carreira nos festivais de Berlim, em 2000; de Cannes, em 2003; e Veneza, em 1992. Além de atuar, dirigiu "Lumière" (1976) e "L’Adolescente" (1979).

Moreau foi um ícone do movimento feminista durante toda sua carreira, interpretando mulheres rebeldes, inconformadas e à margem da sociedade. Fato que foi reconhecido pelo presidente da França. "Se foi uma parte da lenda do cinema", afirmou Emmanuel Macron em um comunicado, no qual descreve Moreau como uma mulher "livre, rebelde e a serviço das causas nas quais acreditava".

Jeanne Moreau em Alagoas

Ela também deixou sua marca no cinema brasileiro ao participar de “Joanna francesa”. A obra coprodução brasileira-francesa, escrita e dirigida por Cacá Diegues, com direção musical de Chico Buarque e Roberto Menescal e temas cantados por Jeanne Moreau, Nara Leão e Fagner.

No filme se passa na década de 1930 e Jeanne interpreta a dona de um prostíbulo em São Paulo que resolve aceitar a proposta do Coronel Aureliano, cuja esposa está moribunda, e deixa tudo para acompanhá-lo até seu Engenho de açúcar Santa Rita, no interior de Alagoas. 

Ao chegar lá, conhece a família do coronel, seus filhos incestuosos, a sogra dominadora, e a rivalidade política e econômica com os Lima, que constroem uma usina e deixam o Coronel com sua antiga plantação à beira da ruína.

A obra chegou a ganhar prêmios de Melhor Roteiro Original e Melhor música.