26/10/2017 00h00 | Por: Natália Souza

Projeto pedagógico destaca herança alagoana entre alunos do Cepa

Estudantes da Escola Dantas expuseram materiais culturais, artísticos e geopolíticos sobre o Estado

Texto de: Lucas Leite
B490B4B4Ef71Fe18961E18226E9D8B01 L
B490B4B4Ef71Fe18961E18226E9D8B01 L

A temática do bicentenário alagoano continua a todo vapor nas escolas da rede pública estadual, com diversas unidades abordando o assunto com muita criatividade. Nesta sexta-feira (20), foi a vez de 750 estudantes do 6º ao 9º ano da Escola Estadual Laura Dantas, no Cepa, abordarem o tema em atividades que incluíram exposições de gravuras e apresentações culturais. O evento aconteceu durante todo o dia e, na ocasião, os alunos puderam aprender mais sobre o Estado, o que estimulou o orgulho de sua alagoanidade.

 

De acordo com o diretor-adjunto da unidade, Wilames Cerqueira, o projeto teve início em julho. “As atividades criam um sentimento de alagoanidade muito forte, e é importante que eles tenham esse sentimento, pois eles serão responsáveis pelo desenvolvimento da Alagoas do futuro”, declara

Fotos: Valdir Rocha

Protagonismo - Este sentimento de pertencimento era perceptível em toda a escola, onde os alunos falavam acerca das personalidades alagoanas no esporte e na literatura, além de apresentarem quadros com colagens em mosaico e os painéis com dados geopolíticos do Estado.

 

David Silvestre Silva, de 15 anos, elogiou a iniciativa. Ele participou de atividades ligadas ao teatro, além de ajudar na composição artística da galeria de artes. “Tive a oportunidade de conhecer a história de artistas antigos e aprender mais sobre os contemporâneos. O que eu mais gostei no evento foi a interação entre os alunos e poder ser protagonista e mostrar aos colegas o que eu fiz”, relata Silvestre.

Fotos: Valdir Rocha

Para João Vitor de Oliveira Cavalcanti, também com 15 anos de idade, as atividades proporcionaram novas descobertas: “Aprendi sobre a importância de Alagoas para a nação tanto nos aspectos políticos quanto culturais. Por meio das atividades, pude descobrir muito mais sobre o nosso Estado”, informa.

 

Jornal - Sob a orientação do professor de história Gilberto Ferreira, os estudantes do 8º ano C organizaram um jornal sobre as revoltas e rebeliões registradas em Alagoas em seus 200 anos de sua história. Passando pela Revolução Praieira à Revolta dos Lisos e Cabeludos, os estudantes deram uma verdadeira aula história.

 

O docente explica que o jornal tem dois objetivos: o primeiro, tem um cunho pedagógico, voltado para a aprendizagem, enquanto, o segundo, pretende fazer com que os alunos percebam que a sociedade é diversa e que a história é mutável.

Fotos: Valdir Rocha

“Cada revolta do século XIX espelha a realidade do que era Alagoas naquela época. O jornal escolar tem várias vertentes de conteúdo e um ponto importante é reunir alunos com vários perfis diferentes, que puderam integrar suas habilidades para o resultado final”, finaliza Ferreira.